sábado, 13 de junho de 2015

Itália (2010) - Dia 2 * Roma

No dia seguinte e com a Rita a fazer de nossa guia, a nossa visita a Roma começou na Piazza del Popolo, que em português se traduz para Praça do Povo. Para chegar lá, seguimos pela Via del Corso, a rua principal no centro histórico de Roma. 

A Piazza del Popolo foi construída no século XVI e funcionava como porta de entrada na cidade para quem viesse do norte. Bem no centro da praça encontra-se um obelisco egípcio com 36 metros de altura. O obelisco é conhecido como o Obelisco Flaminio é o segundo mais antigo e um dos mais altos obeliscos de Roma. Foi construído durante os reinos dos Faraós Ramsés II e Merneptah (século XIII a.C.) e colocado no Templo do Sol em Heliópolis; foi trazido para Roma em X a.C. por ordem de Augusto. Inicialmente o obelisco encontrava-se no Circo Máximo; em 1589 foi transferido para esta praça. 
As duas igrejas que se vêm nesta foto são conhecidas como as igrejas gémeas, são elas a Santa Maria in Montesanto (1675) e Santa Maria del Miracoli (1678). A separá-las está a Via del Corso. 

Subindo umas quantas escadas, chegamos ao Monte Pincio, cujo nome vem da família que ali viveu. A vista vale a pena. Lá ao fundo pode ver-se a cúpula da Basílica de São Pedro, no Vaticano. De costas para nós está a fonte que representa a deusa de Roma, entre os rios Tibre e Aniene.  

Não muito longe da Piazza del Popolo está a Piazza de Spagna e a sua famosa escadaria. 

Os 135 degraus da Escadaria da Praça de Espanha, foram construídos entre 1723-1725 e ligam a Praça de Espanha à Praça da Trindade dos Montes, onde se encontra uma igreja com o mesmo nome. Foi construída entre 1502-1587 em estilo Renascentista e Barroco.  Em frente à igreja está o obelisco Salustiano, levado para este local em 1789. 

De seguida seguimos para a Fontana di Trevi mas antes passámos pelo Palácio Montecitório e mais um obelisco. Este palácio acolhe actualmente a sede da Câmara de Deputados, a câmara baixa do Parlamento de Itália.

Chegámos então à famosíssima Fontana di Trevi. Chegámos nós e um monte de gente, demasiada gente para um espaço tão pequeno. Fiquei surpreendida pelo tamanho da fonte, demasiado grande para "caber" na máquina fotográfica, e por estar num espaço tão pequeno, sempre pensei que estivesse numa grande praça.

Como disse, a fonte é grande, com cerca de 26 metros de altura e 20 de largura, é a maior fonte barroca de Roma. No centro da fonte está a estátua do deus Neptuno, representado sobre um carro em forma de concha e puxado por dois cavalos marinhos.
Depois de umas quantas fotos, também eu cumpri a tradição de atirar uma moeda para a fonte. Segundo a tradição, se se atirar uma moeda para a fonte, voltaremos a visitar a cidade e se atirarmos duas, arranjamos uma namorado em Roma. Eu atirei só uma, não quis arriscar deixar de ser solteira.

Uma das praças que mais gostei na cidade foi a Piazza Navona. Estra praça é um hino ao Barroco. No centro da praça encontra-se a igreja barroca de Santa'Agnese in Agone, construída no século XII.
Está ali mais um obelisco, faz parte da Fontana dei Quattro Fiumi, Fonte dos Quatros Rios, que foi esculpida por Bernini entre 1648 e 1641. Esta fonte representa os quatro principais continentes do mundo e os seus principais rios, Rio Nilo na África; Rio Ganges na Ásia, Rio da Prata na América e Rio Danúbio na Europa.
No lado oposto encontra-se a Fontana del Moro, Fonte do Mouro. A fonte original foi desenhada por Giacomo della Porta em 1575, e tinha apenas o golfinho e os quatro tritões, o mouro, desenhado por Bernini, foi apenas lá colocado em 1653. No entanto nenhuma das actuais estátuas é original. Após o restauro da fonte em 1874, as estátuas originais foram levadas para a Galleria Borghese e foram substituídas por réplicas.

Depois de termos almoçado um belo gelado numa gelataria na Piazza Navona, seguimos até ao Panteão.
Acho que acontece em todas as viagens e a quase toda a gente, encontrar um monumento em obras. Em Roma encontrámos o Panteão neste estado.
O Panteão situa-se na Piazza della Rotonda e a entrada é grátis.

O Panteão é o monumento mais bem preservado da Roma Antiga. Foi mandado construir por Marco Vipsânio Agripa durante o reinado do Imperador Augusto (27 a. C. - 14 d. C.) e reconstruído por Adriano por volta de 126 d. C. Foi originalmente um templo politeísta, já que Agripa o dedicou a vários deuses. No entanto, tornou-se um templo católico a partir do século VII e é dedicado a "Santa Maria e os Martíres".

Da sua construção destacam-se as colunas coríntias e a grande cúpula encimada por um óculo central aberto. Quase dois mil anos depois de ter sido construído, está cúpula continua a ser a maior cúpula de concreto não reforçado do mundo.  
No seu interior encontram-se os túmulos do rei Vítor Emanuel II e de Rafael. 

Um dos momentos alto do dia foi sem dúvida a visita ao Coliseu. O Coliseu é conhecido como o maior símbolo da cidade de Roma e todos os anos é visitado por milhares de turistas, nós também quisemos fazer parte dessa estatística.
O bilhete de entrada pode ser reservado online mas nós comprá-mo-lo directamente na bilheteira. Até não tivemos de esperar muito tempo na fila. Pagámos 12€. Se o bilhete for comprado online custa 16€, sendo que os 4€ de diferença, são a taxa de serviço online e serão devolvidos quando trocarem o voucher da reserva pelo bilhete.
O bilhete é válido por 2 dias e dá acesso ao Coliseu, no Palatino e no Forum. 

Para além de fazer parte dos monumentos em Roma classificados como Património Mundial da Humanidade, o Coliseu de Roma é também uma das 7 Maravilhas do Mundo. 
Esta grandiosa obra foi construída entre 68-79 d. C. por Tito Vespasiano. 
Originalmente era capaz de abrigar perto de 50 000 pessoas que durante quase 400 anos aí assistiram a vários espectáculos. 

Esses espectáculos incluíam lutas entre gladiadores e animais e batalhas navais em que a arena se enchia de água. Por debaixo da arena existiam vários corredores e salas onde ficavam os gladiadores e animais, à espera de entrarem nos espectáculos. 
No início da Idade Média deixou de ser utilizado para entretenimento mas teve outras utilizações como, habitação, oficina, forte, pedreira, sede de ordens religiosas e templo cristão. A ligação à Igreja ainda se mantém nos dias de hoje; todas as Sexta-feiras Santas o Papa lidera a procissão da Via Sacra até ao Coliseu. 

Como disse, o bilhete inclui a visita ao Palatino

Este local é um museu ao ar livre e aqui se encontram as ruínas dos palácios de Augusto, Tibério e Domiciano. 
Daqui têm-se umas belas vistas para o Forum Romano.

Durante séculos, o Forum Romano foi o centro da vida pública romana e foi considerado o ponte de encontro mais conhecido do mundo. 

O seus monumentos celebram os grandes homens da cidade. Hoje em dia é um vasto complexo de ruínas monumentais que demonstram claramente o uso de espaços urbanos durante a Idade Romana.  

O Templo de Antonino e Faustina foi construído em 141 pelo Imperador Antonino Pio e foi inicialmente dedicado à sua falecida e deíficada esposa Faustina. Na Idade Média foi transformado na igreja San Lozenzo in Miranda. 

Outros monumentos dentro do Forum. 

Depois de sairmos do Forum passámos pelo belo Monumento a Vítor Emanuel II. 

O Monumento Nacional a Vitor Emanuel II homenageia Vítor Emanuel II, primeiro rei da Itália unificada e considerado o pai da pátria italiana. 
Foi projectado em 1885, inaugurado em 1911 e apenas terminado em 1935. 

Já tínhamos passado pela sede da Câmara de Deputados, agora estávamos na sede do Presidente da Câmara de Roma, o Palazzo Senatorio, Palácio dos Senadores, que se situa-se na Praça do Capitólio
No topo das escadas que dão acesso à Praça, estão as estátuas dos gémeos Castor e Pólux. 

Mesmo entre o Monumento a Vítor Emanuel II e a Praça do Capitólio, encontra-se a Basílica de Santa Maria in Aracoeli. 

Esta igreja em estilo Românico foi construída no século XII e é a igreja oficial do conselho municipal de Roma. É conhecida por abrigar algumas das famosas relíquias de Roma, como por exemplo as de Santa Helena, mãe do Imperador Constantino I, relíquias menores do Santo Sepulcro e o Santo Bambino de Aracoeli.  

Em Roma o Forum Romano não é o único forum. 

O Forum de Trajano, mandado construir por Trajano, foi construído entre 106-112 d. C. e foi um último dos forums imperiais construídos na Roma antiga. 

Em Roma tropeça-se na História ao virar de cada esquina e o melhor de tudo é poder passear pela cidade a pé, sem ter necessidade de apanhar transportes. Gosto quando é assim. Mas tanto passeio pela História tem os seus custos, ao fim do dia os pés e as pernas reclamavam por um merecido descanso, afinal ainda haveria mais para descobrir nos dias seguintes. 

2 comentários:

AnaP. disse...

Li e gostei. Relembrei com prazer Roma onde passei a minha lua de mel.

Marta FG disse...

Que bom, Marta conhecer o seu blog! Já sou seguidora. Viajar sozinha? Há dois meses atrás também fiz a minha primeira viagem sozinha e acho que não será a única! Beijinhos.
Obrigada pelo seu primeiro comentário no meu blog:

www.viajarso.blogspot.com

Enviar um comentário